Brotas é mais do que a terra do Daniel

Quando eu resolvi ir pra Brotas muitas pessoas me perguntaram sarcasticamente: – O quê que tem de bom para fazer por lá? Todos só sabiam da existência do lugar, por ser a terra dos famosos cantores João Paulo e Daniel, nada além.

Eu, pra ser bem sincero, escolhi esta cidade para passear porque tinha uma breve noção da sua riqueza cultural, mas principalmente porque era próximo do local que eu e uma amiga íamos trabalhar. Era uma forma de incrementar ainda mais a nossa viagem.

Hoje, depois de ter conhecido a fundo a terra do popular cantor sertanejo, posso responder aos curiosos que Brotas é um lugar esplêndido e que não perde em nada para outros famosos lugares de belas paisagens. Além disso, afirmo que está implícito em seu universo a calma e pureza do interior, mas também as aventuras e grandes histórias que todo bom lugar oferece.

Cachoeira Cassorova

Quando estiver por lá não deixe de conhecer o Rafting e as Areias que cantam, sem dúvidas as atividades mais populares da região. Entretanto elas não são as únicas possíveis de serem apreciadas. Irei detalhar todo o meu roteiro para que possam ver as diversas opções de passeios que existem no lugar.

Eu segmentei as atividades da seguinte forma:

PASSEIOS COM AGÊNCIA
Existem alguns passeios que só podem ser feito através de agências turísticas. Entre as diversas possibilidades escolhi os dois que detalho abaixo. Creio que mesmo para as pessoas super econômicas esse seja o momento de “abrir a mão”, pois são duas atividades que farão total diferença no seu percurso pela cidade. Ah, no pacote ganhei de brinde a trilha para conhecer a Cachoeira Cristal. Entre as diversas agências que existem por lá, eu indico a Território Selvagem, fui muito bem tratado e todos os passeios deram super certo.

Rafting
O Rafting é realizado nas águas do Rio Jacaré Pepira, considerado um dos melhores para a prática desse esporte. O bote inflável comporta até sete pessoas, e o curso do Rio é um prêmio da natureza aos praticantes que desbravam corredeiras, refluxos e quedas d’água.

Tirolesa Mega Tour
Uma das mais altas do Brasil, com seus imponentes 120 metros de altura para ninguém botar defeito. Esse é um dos passeios mais procurados da cidade, que engloba não apenas a tirolesa, mas sim quatro atividades em apenas uma.

Cachoeira do Cristal
Na Trilha da Cristal em Brotas os únicos ruídos que ouvimos são dos pássaros cantando em seu habitat natural e aquele barulhinho gostoso vindo da Cachoeira de 15 metros de altura.

PARQUES
São diversos parques. Praticamente todas as outras atividades (além daquelas das agências) que você fizer será dentro de um parque. A parte boa é que tudo está super bem preservado, a parte ruim é que todo parque cobra uma taxa, então aconselho pesquisar bastante e escolher seus preferidos, foi isso que eu fiz.

Parque dos Saltos
Localizado no centro de Brotas, SP, o Parque dos Saltos foi construído numa região de grande desnível do rio Jacaré Pepira para abrigar uma pequena usina hidrelétrica, atualmente desativada. Pontes e trilhas pavimentadas em ambas as margens do rio permitem agradáveis passeios pelo parque, que também conta com alguns espaços para descanso e contemplação.
Importante: É o único Gratuito
Rua Alfredo Mangilli, S/N – Santa Cruz

Hotel Fazenda Areia que Canta
O Hotel Fazenda Areia que Canta guarda uma riqueza natural que, dizem as lendas locais, pode ter sido responsável pelo nome da cidade. Em uma clareira entre as árvores, depois de uma curta trilha, surge uma lagoa de água cristalina que permite enxergar o fundo de areia muito branca. Do solo, a cada par de segundos, uma bolha enorme se forma e um buraco se abre no chão, de onde sai água pura a 21°C. Trata-se de uma nascente do Aquífero Guarani. A água que flui pelas frestas do solo (a nascente chega a liberar 70 mil litros por hora) esculpe os minúsculos grãos redondos de quartzo do solo.
Endereço: Rodovia Eng. Paulo Nilo Romano (SP 225), Km 124,5
Tel: (14) 3653-1382

Recanto das Cachoeiras
As cachoeiras de Santo Antônio (15 metros) e Roseira (55 metros) são acessíveis por trilhas fáceis e rápidas. O parque oferece bons pontos para observar as quedas – entre eles, uma ponte suspensa em madeira -, além de poços para banhos. O espaço é privado e oferece ainda opções de caminhada por trilha, arvorismo, cavalgada, tirolesa e rapel. Entre os serviços, lanchonete e vestiário. Uma piscina instalada no alto de um mirante é a pedida perfeita após a caminhada.
Endereço: Estrada Brotas x Patrimônio, Km 11 – Serra da Roseira
Tel: (14) 3653-4227
https://www.recantodascachoeirasbrotas.com.br/

Ecoparque Cassorova
No parque você pode encontrar duas cachoeiras, a Cassorova (45 metros) e a Quatis (42 metros), as duas são acessíveis por escadaria e caminhada. A segunda é bastante procurada para a prática de canyoning. A trilha de acesso à Cassorova é curta e dá para tomar banho na piscina natural na base da queda. Já a dos Quatis fica 1,5 km adiante.
Endereço: Fazenda Cossorova – Acesso pela estrada para Patrimônio, a 30 quilômetros do Cen
Tel: (14) 3653-5638
Valor: R$ 60,00 para acessar o Ecoparque e utilizar da estrutura (Piscina, cachoeiras, trilhas, banheiro, ducha). Obs: Atividades como tirolesa, arvorismo, canionismo e almoço no restaurante são cobradas a parte.
https://www.cachoeiracassorova.com.br/

ATIVIDADES EXTRAS
Cito as atividades extras, pois o lugar realmente não tem quase nada além da parte relacionada a área verde. As únicas programações que encontramos foram estas. Ps: Muitas pessoas irão falar para você ir em uma cidade vizinha chamada Jaú… não vá!

Brotas Beer
Para quem curte tomar uma cerveja artesanal.
R. Ângelo Martineli, 85 – São João
http://www.brotasbeer.com.br/inicial/

Planetário da Fundação CEU
Observar o céu noturno no planetário da Fundação Centro de Estudos do Universo, o CEU, é um belo programa. As sessões começam às 21 horas, e terminam às 23h15. Vá no inverno, quando o céu está limpo. No roteiro de visitação, observação em telescópios, sessão de cinema em uma sala com telão 180 graus. O filme mostra constelações, fenômenos naturais como a aurora boreal, viagens a planetas do Sistema Solar.
Endereço: R. Emílio Dalla Déa Filho, s/n – Campos Elíseos
Tel: (14) 3653-9995 / (14) 3653-4466
Integral – R$ 64,00 | Estudante – R$ 32,00 com apresentação de carteirinha
http://www.fundacaoceu.org.br/visitantes/

Tirolesa Mega Tour

Acho que depois de todos essas atividades citadas eu não preciso reafirmar que Brotas é um lugar que vale muito de ser visitado, né? Aí vai uma dica: permita-se conhecer lugares novos e poucos explorados, as vezes eles podem lhe apresentar mais do que lugares famosos e lotados de turistas. O Brasil é rico demais para gente resumir nosso turismo aos mesmos lugares de sempre.

Descobrindo Porto Alegre

De todas as cidades do Sul que visitei, Porto Alegre é a menos turística. Claro que ela também merece ser visitada, pois apresenta diversas características enriquecedoras (assim como todo o Brasil), mas não é aquele lugar preparado pra receber o turista, tendo eventos e informações claras.

Procurei seguir o roteiro do dia a dia gaúcho. Percebi que está implícito nos cidadãos, pelo menos onde eu estava, uma motivação muito maior em sair a noite para barzinhos, do que caminhar durante o dia. Também observei o grande amor por seus clubes, tanto que uma das maiores festas envolvendo futebol que já vi foi a comemoração dos gremistas pelo título da libertadores. Bom… observei muitas coisas, não dá para falar tudo, mas para uma metrópole brasileira, onde a violência também já começou a tomar conta, até que a alegria está bem presente.

Casa de Cultura Mario Quintana

Quando estive por lá, passei por:

 Passeio de barco pelo Rio Guaíba
O passeio leva às ilhas próximas a Porto Alegre, passando por uma vila de pescadores, e a sua duração, que é cerca de uma hora, fica mais irresistível quando ganha as cores do pôr do sol. Os horários são variados e há saídas do Cais do Porto (Av. Mauá, 1050 – Centro) e da Usina do Gasômetro (Av. Pres. João Goulart, 551 – Centro).

Parque da Redenção / Farroupilha
O parque mais tradicional, tombado em 1997 como Patrimônio Histórico e Cultural da cidade, tem monumentos, palmeiras, pedalinhos, minizoo e orquidário espalhados por 38 000 m² de área verde, entre os bairros Bom Fim e Cidade Baixa.
Av. João Pessoa, s/n

Brique da Redenção – Passeio no Caminho dos Antiquários
No trecho que liga a Praça Daltro Filho à Praça Marquesa de Sevigné, compreendendo espaços das ruas Marechal Floriano Peixoto, Demétrio Ribeiro, Coronel Genuíno e Fernando Machado, há várias lojas com acervos incríveis. Aos sábados, ainda acontece uma Feira de Antiguidades na Rua Marechal Floriano, entre a Fernando Machado e a Demétrio Ribeiro.
Parque Farroupilha – Av. José Bonifácio, s/n – Farroupilha, Porto Alegre – RS, 90010-150

Passeio pela Gonçalo de Carvalho
Situada em meio a um grande túnel verde, a Gonçalo de Carvalho foi eleita a rua mais bonita do mundo. Apesar de não estar mais como era quando ganhou o prêmio, a rua continua merecendo visitação.
Rua Gonçalo de Carvalho

Mercado Público
Bem inferior ao de São Paulo, o Mercado fica no Largo Glenio Peres. Bom para almoçar.
Praça 15 de Novembro

Passeios na Usina do Gasômetro
Era um dos centros culturais mais importantes do Estado, hoje está meio abandonado. Sem dúvidas existem diversos outro espaços culturais bem melhores pela cidade.
Horário de funcionamento: de terça a sexta, das 9h até 21h; Sábado e domingo das 10h até 21h
Av. Presidente João Goulart, 551

Casa de Cultura Mario Quintana
É um dos centros culturais mais completos da América Latina. Fiquei impressionado com a sua estrutura. A forma de passear pelos espaços é bem impressionante e fotográfica.
Horário de funcionamento De terças a sextas-feiras: 9h às 21h / Sábados, domingos e feriados: 12h às 21h
Rua dos Andradas, 736

Parcão / Moinhos de Vento
Cercado por vias movimentadas, é um verdadeiro oásis no meio do bairro Moinhos de Vento. Um lago e muito verde dão o clima de sossego ao lugar, que nos fins de semana se torna point de piqueniques entre amigos. Nos fins de tarde, crianças brincam no parquinho infantil artesanal, repleto de brinquedos de madeira.
Sempre aberto
R. Comendador Caminha, s/n

Parque Moinhos de Vento

Museu de Ciências e Tecnologia da PUC
Um verdadeiro parque temático que estimula a curiosidade científica e os sentidos de adultos e crianças. São três andares de interatividade em mais de 800 experimentos científicos e tecnológicos. Interagir, mexer, experimentar, tocar, ouvir, sentir é a palavra de ordem no MTC, onde uma bicicleta simula a geração de energia; no Giroscópio Humano, a falta de gravidade é total; e nos 30 aquários marinhos, a sensação é de estar dentro do oceano.
De terça a sexta-feira: das 9h às 17h / Sábado e domingo: das 10h às 18h / Segunda-feira: fechado
Inteira: R$30 | Meia-entrada: R$ 15
Avenida Ipiranga, 6681 (Campus da PUC)

Café no museu Iberê Camargo
Depois de visitar as mostras do museu Iberê Camargo, um dos principais da Capital, vale terminar a tarde assistindo ao  sempre belo pôr-do-sol do Guaíba.
Endereço: Av. Padre Cacique, 2000
Nas quartas, quintas e sextas está aberto, mas tem que ser realizado agendamento prévio de grupos de no mínimo 20 pessoas

Jardim Botânico
Ótimo espaço para quem adora estar em contato com a natureza.
Valor: R$ 5
O Jardim Botânico é aberto à visitação de terça a domingo, das 8h às 17h.
O Centro de Visitantes atende ao público de terças a sextas-feiras das 8h às 17h.
R. Dr. Salvador França, 1427

Jardim Botânico

A cidade que foi destacada em 2010 pela ONU como a Metrópole nº 1 em qualidade de vida do Brasil, hoje em dia já não é mais tão brilhante, entretanto, é notável a vontade dos gaúchos em levar a vida de uma forma mais leve.

No meu campo tem Canela

Localizada na Serra Gaúcha, Canela é sinônimo de sossego e possui uma estrutura singular. São diversos parques e espaços públicos lotados de araucárias e outros tipos de vegetação. É uma cidade muito florida.

Infelizmente não passei tanto tempo por lá, mas deu para fazer bastante coisa e perceber que, quando comparada a sua maior concorrente turística Gramado (localizada apenas a sete quilômetros de distância), é uma cidade mais calma e econômica. Como vocês poderão ver no roteiro abaixo, rodei bastante e tentei conhecer ao máximo, de acordo com o tempo que tinha.

Catedral de Pedra

Existem diversas formas de chegar na cidade, se estiver indo direto do Aeroporto, é só pegar o ônibus da Citral. Caso esteja indo de Gramado, apesar de ter a possibilidade de utilizar transporte público, eu indico ir de uber. O preço não sai caro e você consegue chegar em todos os espaços com extrema facilidade.

Apesar de ser super aconchegante, não achei que Canela têm tanta coisa para fazer, quando estive por lá passei por:

Parque do Caracol
Um complexo de 25 hectares que abrange um lindo espaço verde.
Horário de funcionamento: de segunda a sexta, das 8h30 às 17h30.
Ingressos: R$ 10 (adultos) e R$ 5 (crianças e idosos).
Telefone: (54) 3282-3035
Endereço: RS- 466, km 1

Alpen Park
Parque de diversão animado que oferece atrações como montanhas-russas, tirolesas e quadriciclos.
Tel: (54) 3282-9752
Site:
www.alpenpark.com.br
Endereço: Rodovia Arnaldo Oppitz, 901

Catedral de pedra
Foi eleita uma das sete maravilhas do Brasil em 2010, pelo portal de noticias Terra. Após a eleição, ela ganhou um sistema de iluminação externa. A noite quando as luzes são acessas, a Catedral de Pedra é iluminada com show de luzes coloridas, uma vista deslumbrante para os moradores e turistas de Canela.
Horário de funcionamento: Consulte através do telefone de contato
Entrada: gratuita
Telefone: (54) 3282.1132
Endereço: Praça da Matriz, 53 – Centro – Canela

Parque da Serra / Bondinho Aéreo
Teleféricos coloridos com vistas de áreas selvagens e da famosa Cascata do Caracol.
Tel: (54) 992059810 / (54) 992061225
http://www.parquesdaserra.com.br/index.php/home
Horário: 09h às 16h
Ingresso: R$42
Endereço: Estrada da Ferradura, 699

Bondinho aéreo

Dentro do meu mini-mochilão pelo Sul, passei apenas 1 dia por lá, é um lugar lindo! A origem do seu nome vem de uma árvore, e em troca, Canela nos dá uma aula de preservação natural.

Um sonho chamado Morro de São Paulo

Já imaginou um lugar que tenha belezas naturais, festas maneiras o tempo todo, gente bonita e animada e ainda fique situado em uma ilha paradisíaca? Sim, esse lugar existe e tem nome: Morro de São Paulo. Localizado na Ilha de Tinharé, esse pedacinho do paraíso precisa ser visitado e apreciado por todos os amantes da natureza e da vida.

Minha experiência por lá foi “devastadora”. Sem dúvidas o lugar que mais amei conhecer no meu mochilão pela Bahia. Vou tentar te contar um pouquinho como foi.

TERÇA
Cheguei lá numa terça-feira estranha. O dia tinha começado com sol, mas durante todo o percurso de Catamarã peguei chuva e um mar bastante agitado. Enfim… depois de muita emoção cheguei no porto. A primeira coisa que você vai reparar quando chegar por lá são nos populares “taxis”, garotos com carrinhos de mão oferecendo (em troca de dinheiro) para carregar sua mala pelas ladeiras de morro. Gastei um tempinho para me localizar, reconhecer o território e guardar a mala. O dia já estava terminando mas, como sempre, não gosto de perder nenhum minuto da viagem, então fui explorar. Me indicaram ir em direção a tirolesa, pois lá de cima dá para ter uma visão mais ampla das praias e da cidade. Fiz o que me disseram, mas percebi que próximo de onde eu estava tinha um outro caminho que levava a uma nova possibilidade, e lá fui eu. Encontrei, provavelmente a vista mais linda do lugar. Um mirante natural, com uma visão perfeita do céu e do mar. Foi surreal. Dica: coloque como certo esse local no seu roteiro. Pois é de graça, está aberto o tempo todo e é perfeito tanto para apreciar, quanto para tirar lindas fotos.

Mirante Natural

Depois de curtir o que dava do fim de tarde, busquei me informar sobre a programação da região. Descobri que cada dia é caracterizado por ter certas festas e eventos. Foi ótimo, porque já pude me organizar pra comprar ingressos e também perceber que ia gastar um pouco mais do que planejava. A terça era dia da festa do bambu, um hostel que fica escondido bem dentro da mata e privilegia artistas com vontade de mostrar o seu talento, ou seja, se você tem um dom musical e não tem vergonha de mostrar, vai lá que terá a oportunidade de tocar com outros grandes músicos. Esse evento é mais sossegado, não lota, não tem custo algum para participar e é realizado num período de matinê, pois as festas dentro dos hostel’s, por lei, tem horário de duração.

– Farol
Próximo a um mirante que proporciona uma bela vista, o farol é uma estrutura que não pode ser visitada. Ele é mais utilizado para demarcar uma àrea. Não tem atividades turísticas ou culturais.

QUARTA
Estava afoito querendo conhecer as famosas praias. Dormi mal por causa da ansiedade e de um mosquitinho chato que apareceu ao meu lado (depois me dei conta que ele devia tá por lá porque esqueci meu tênis debaixo da cama e ele estava bem sofrido). Ao acordar me deparei com um tempo ainda estranho, fiquei com receio, tomei café e fui em direção da praia sem desanimar. Chegando lá o tempo já não estava mais tão feio. Deitei na areia. Me distrai. De repente reparo que todas as nuvens sumiram e o sol estava naquela potência condizente ao que eu lia na internet e com a quantidade de protetor que levei. Minha alegria era clara e meu agito constante. Fui destrinchar o lugar. Conheci a primeira, a segunda e a terceira praia, que são pontos fáceis de se conhecer, pois ainda estava receoso de outra mudança do clima. Um pouco mais tarde e mais confiante, fui em busca de um passeio maior. Resolvi ir andando até Gamboa, praia famosa pela sua argila medicinal.

Voltei à tardinha e já fui me organizar para ir ao evento de quarta: o Teatro. Uma boate que é divida em duas partes, metade fica tomada por ritmos locais e latinos, a outra parte fica sendo embalada pela música eletrônica. Esse local já tem mais a cara das noitadas paulistas e cariocas, tanto no estilo, quanto nos preços. O ingresso teve valor de R$50 e a festa durou até o sol nascer.

– Primeira Praia
É pequena, mas é a praia com mais diversões no mar. Tem muitos hotéis e pousadas e é a mais próxima da vila.

– Segunda Praia
É a praia mais badalada, não só durante o dia como à noite. Praia que conta com a maior diversidade de bares e restaurantes. Os principais eventos realizados na areia acontecem aqui, inclusive o popular luau.

– Terceira Praia
Tem cerca de 800 metros de extensão. É dessa praia  que partem os passeios para outros lugares da região. Sua faixa de areia é pequena e na maré alta o mar atinge o muro onde fica a ruela da orla.

– Caminhada até Gamboa
Se a maré estiver baixa você poderá fazer uma caminhada do cais do Morro até a Gamboa, passando pelas praias do Porto de Cima e da Ponta da Pedra. Antes de chegar em Gamboa está a encosta de argila, parada obrigatória para passar a argila por todo o corpo, que segundo dizem os moradores tem função esfoliante. Confesso que nesse momento me empolguei e passei argila até no cabelo (risos). A caminhada, se for feita de forma tranquila, dura cerca de 30 minutos.

QUINTA
Já deu para reparar que nesse lugar quase não se dorme né? Depois de 2 horas de sono, parti para a empreitada do dia: o passeio de lancha Volta à Ilha. Neste passeio, que detalho melhor abaixo, tive a oportunidade de conhecer um grupo de paulistas e mineiros muito animados, pessoas incríveis que, provavelmente, terei contato pelo resto da vida. O passeio foi indescritível. Conheci lugares lindos, comi ostra pela primeira vez e me diverti um bocado. Para quem tiver interessado, relato que existem diversas agências na ilha que fazem esse passeio, mas indico que procure a que tem o grupo mais animado, faz toda a diferença. O preço gira em torno de R$100, mas se for em baixa temporada utilize seu poder de negociação.

E, antes que esqueça, destaco aqui a festa deste dia: o luau. Foi neste evento que conheci uma menina super especial, que fez a minha estadia em Morro ser ainda mais prazerosa e empolgante, e que sempre estará guardada de forma positivamente linda na minha memória. O luau não é muito bem um luau. É mais uma festa gratuita na praia. Com direito a diversas caixas de som, este evento também invade a madrugada.

– Passear de barco Volta à ilha
Há dois passeios de barco pela ilha. O mais procurado e conhecido é o Volta à Ilha, que dura o dia todo. De manhã, a programação começa pela piscina natural da Praia de Garapuá, com águas quentes e cheias de peixes. Depois, o barco segue para as bonitas piscinas de Moreré, na Ilha de Boipeba. Após o desembarque na Praia de Cueira, caminha-se pela orla por Tassimirim para chegar à Boca da Barra (centrinho de Boipeba), onde há uma breve pausa para o almoço nas barracas pé na areia (pago à parte). À tarde, a navegação segue pelo Rio do Inferno e faz mais duas pausas nas cidadezinhas de Canavieiras e de Cairu.

– Forte
O forte é visto logo na chegada da cidade. Ele foi usado como ponto estratégico, principalmente para proteger a cidade de Salvador. Junto do forte fica uma antiga senzala ou prisão (não se sabe ao certo) com um túnel que vai até a igreja principal. O forte é escolhido pelos visitantes da ilha principalmente para admirar o pôr do sol.

SEXTA
Para variar, na sexta também não dormi quase nada. Mesmo lesado, era a hora de conhecer o que restava do passeio. A festa deste dia foi na Toca do Morcego. A entrada para casal tem o valor de R$50 para cada. Indo solteiro paga R$70.

– Quarta Praia
Uma praia mais extensa e mais deserta, em compensação também é a mais bonita entre as praias de mais fácil acesso. Quando a maré está baixa é possível ver a grande quantidade de corais. Essa eu fui pra relaxar.

– Quinta Praia
É a praia mais distante do centro, parecida com a quarta praia, mas de difícil acesso. É quase uma praia particular para os que ficam nos resort’s e em hotéis próximos.

– Toca do Morcego
A Toca do Morcego é o lugar mais famoso para ver o sol se pondo. O espaço cobra R$10 pela entrada e oferece esteira, almofadas e um cardápio com bebidas e petiscos. A casa não abre nos meses de maio, junho e na primeira quinzena de julho. Na baixa temporada, o horário de funcionamento é das 16h30 às 22h.

– Mirante da Tirolesa
É um lugar propício não só para quem pretende descer pela tirolesa de 320m de altura (R$ 70), como para quem quer ter uma vista geral da cidade. Um triste fato é que eles não deixam você saltar segurando algo, ou seja, não da para tirar aquelas fotos iradas da gopro.

SÁBADO
Foi o dia mais difícil, o dia da despedida. Foram poucos dias, mas muito intensos. Parecia que já conhecia o lugar com a palma da minha mão e já tinha amizade com os moradores há anos.

Uma viagem recheada de histórias e momentos inesquecíveis. Morro é um daqueles lugares que cravam uma saudade eterna no seu coração. Cada detalhe, cada conversa, cada passo, vão ficar sempre guardados no meu coração.

Piscinas naturais de Moreré (Ilha de Boipeba)

COMO CHEGAR?
Transfer aéreo: A opção mais cara e rápida para se chegar até morro. A viagem dura cerca de 3o minutos e o valor gira em torno de R$435,00. Como sou pobre, esse é o máximo de informação que tenho sobre essa possibilidade, desculpe (rs).

Transfer marítimo: seu tempo de viagem é aproximadamente de 2 horas e trinta minutos, podendo variar para 3 horas, dependendo das condições climáticas e ventos no mar. O local de partida (catamarã e lancha) é no Terminal Marítimo de Salvador, próximo do Mercado Modelo, na Cidade Baixa. A chegada em Morro é no porto (cais), localizado próximo à vila (centro) ao lado da Fortaleza. Na época em que fui, o trajeto custou R$ 96,50 por pessoa. Os preços e os horários são tabelados, então não tem muito para onde correr.

Transfer semiterreste: Vá para o Terminal Hidroviário de São Joaquim e de lá siga em direção a Bom Despacho, localizado na Ilha de Itaparica – o trajeto dura em média 40 minutos. Pegue um ônibus até Valença. Saltando no Terminal Rodoviário de Valença vá para Terminal Marítimo do local, e de lá pegue os barcos rápidos que vão para Morro. Se você não quiser fazer todo esse processo por conta própria, contrate um pacote com uma agência, que terá alguém lhe orientando e guiando por todo o circuito. Essa opção custa em torno de R$90.

Viagens, filho, felicidade

Vamos arrumar a mala, temos que sair com duas horas de antecedência, não gosto de chegar atrasado, o passeio vai ser tranquilo, é uma viagem mais família, pena que meu pai não veio, já fiz o nosso roteiro, você merece essa viagem, é como tirar férias dos serviços de casa, você ronca muito, não pára, o mais importante é comer todos os dias, arroz, feijão, uma verdura e uma carne, as minhas viagens são assim, procuro fazer uma boa alimentação, você é que vai escolher onde vamos comer dessa vez, mãe, pode falar, você está cansada? Quando quiser eu paro, eu tenho que resolver tudo?

Viajar com meu filho é assim, um ritmo acelerado, mas o que é mais engraçado sou eu, tentando acompanhar esse ritmo, mas tudo vale a pena, porque estar com ele, é a maior felicidade.

A natureza reina em Teresópolis

Localizada no interior do Rio, Teresópolis mostra, com todo seu charme, a harmonia e beleza de uma natureza bem conservada. Em toda sua extensão (repleta de rios, cascatas e rica flora e fauna), dou destaque ao Parque Nacional da Serra dos Órgãos, uma unidade de conservação situada no maciço da Serra dos Órgãos, que também abrange os municípios de Guapimirim, Magé e Petrópolis.

Sem dúvidas, é um dos melhores parques do país para a prática de esportes de montanha, como escalada, caminhada, rapel e outros. O Parque tem a maior rede de trilhas do Brasil, são mais de 200 quilômetros de trilhas em todos os níveis de dificuldade: desde a trilha suspensa, acessível até a cadeirantes, até a pesada Travessia Petrópolis-Teresópolis, com 30 Km de subidas e descidas pela parte alta das montanhas.
Entre os passeios disponíveis na parte pertencente a Teresópolis, destaco as 4 trilhas que mais gostei:

  • Trilha Suspensa
    Esta famosa trip tem um caminho bem tranquilo de ser percorrido, tendo apenas 1300 metros de caminhada reta. A trilha, iniciada na Praça da Barragem, possui piso de madeira e corrimão, permitindo acesso até a cadeirantes. No trecho final a trilha atinge grandes alturas em relação ao solo (até 8 metros) e permite belas visões da floresta e dos paredões.
  • Trilha Mozart Catão
    É mais uma trilha leve , que nos leva até Mirante Alexandre Oliveira, com vista para a cidade de Teresópolis e o Parque Estadual dos Três Picos, ao fundo. Uma curiosidade é que os nomes da trilha e do mirante é uma homenagem a dois alpinistas da cidade, mortos ao tentar escalar a face sul do Aconcágua, em 1998.
  • Trilha Cartão Postal
    Esta bela trilha, com acesso pela Estrada da Barragem próximo à pousada, cruza área de floresta com belas vistas da montanha e dá acesso a um mirante voltado para a cadeia de montanhas da Serra dos Órgãos, proporcionando ao visitante um novo ângulo de observação do Dedo de Deus do meio da floresta. No caminho é possível observar algumas grandes árvores, como o jequitibá. Apesar de ter apenas 1200 metros alguns consideram esta trilha moderada, pois é uma subida constante em uma escada natural.
  • Trilha da Pedra do Sino
    A Pedra do Sino é o ponto culminante da Serra dos Órgãos com 2.275m e lá do alto a vista alcança toda a Baía de Guanabara, a cidade do Rio de Janeiro e parte do Vale do Paraíba, no lado continental. São cerca de 11 km (cinco a seis horas) de caminhada desde a sede do Parque, em Teresópolis, a 1.100 metros de altitude, até o cume. O primeiro trecho é mais leve, por dentro da mata. Na parte final, a trilha é acidentada.

Para mais informações e detalhes sobre outros passeios acessem o site do parque.

 Preços?

Quando ir?
Todos os dias, das 8h às 17h (todas as sedes). É permitida a entrada no parque entre 6h e 8h e entre 17h e 22h, mediante compra antecipada de ingressos.

Como chegar?
A entrada principal do Parque Nacional da Serra dos Órgãos fica na área urbana de Teresópolis, na Avenida Rotariana s/nº (que interliga a BR 116 Rio-Bahia, na altura do km 89,5 à cidade), com acesso bem sinalizado. A entrada do parque fica ao lado da ponte sobre o Rio Paquequer, na entrada da cidade, próximo ao Mirante do Soberbo e ao Portal da Cidade.

Na BR 116, sentido Rio-Teresópolis, na altura de Magé, existe a praça do pedágio administrado pela CRT, com cobrança bidirecional. Há cobrança de pedágio também no sentido Teresópolis-Magé-Teresópolis.

Nos canyons de Capitólio

Mais uma vez fui em busca de destrinchar ainda mais o estado mineiro. A cidade escolhida dessa vez foi Capitólio.

Mirante dos Canyons

A grande dúvida desta viagem era em como ir…??? Poderia ir de carro, de excursão, de ônibus (com bastante ajuda divina), entre outras possibilidades. Escolhi ir de excursão. Você deve está se perguntando: mas por que excursão ? (caso não esteja pule esta parte e vá direto para o roteiro).

A excursão, apesar de tirar um pouco de sua liberdade, facilita em muitos outros aspectos, pelo menos no meu ponto de vista. Além dela facilitar na hora de fazer amigos, ela também te permiti chegar descansado no lugar, ou seja, é uma ótima escolha para viagens de curto período. Depois de dirigir por 9 horas o pique para fazer uma trilha já não seria mais o mesmo, concorda? Então ir no ônibus dormindo ajudaria muito nessa parte, ainda mais se você for em um feriado, assim como eu, e não puder perder nenhum minutinho de curtição.

Voltando aos passeios…Apesar de o tempo está bem instável acabei dando muita sorte, conseguindo fazer os passeios planejados e curtindo todas as possibilidades.

No primeiro dia fomos ao Mirante dos Canyons, para garantir a foto mais famosa do lugar, logo depois fomos as cachoeiras que tem ali por perto, a menos de 200 metros de distância. Existem duas possibilidades de percurso de cachoeiras: 1 – O Circuito das Cachoeiras, gratuito, que apresenta cachoeiras belíssimas e com estruturas um pouco mais rudimentares; 2 – O Circuito das Três Cachoeiras que custa R$5,00 e não tem cachoeiras tão impactantes, porém, lhe dá a oportunidade de acampar no local.

O segundo dia, foi dia de explorar a Trilha do Sol. A trilha cercada por diversas belezas naturais nos dá a possibilidade de conhecer três lindas cachoeiras: Cachoeira No Limite, Poço Dourado e Cachoeira do Grito. A do grito é a mais interessante para passar mais tempo, por se tratar de uma cachoeira maior e com maiores atrativos. Dica: existe um ponto das pedras desta cachoeira que as pessoas utilizam para ficar pulando no poço, ótima dica de brincadeira para quem não tiver medo de altura e souber nadar.

Deixamos o passeio de lancha pelo Lago de Furnas para o terceiro dia, para fechar com chave de ouro. O passeio, ao som do “batidão carioca”, é bastante divertido devido a grande quantidade de cachoeiras que vão sendo encontradas pelo caminho e, principalmente, pelas manobras da lancha sobre uma água cristalina.

Passeio de lancha pelo Lago de Furnas

A viagem foi rápida mas muito intensa. Conheci muita gente boa, que vou guardar pra sempre na memória. Me diverti muito em todos os momentos, inclusive à noite que não tinha muita coisa para fazer por lá. Por isso que eu sempre repito: o lugar pode ser incrível (como realmente é), mas quando a companhia é boa tudo fica ainda melhor!

A magia de Cabo Polonio

O Uruguai é um país que conta com diversos balneários, então…Porque escolher Cabo Polonio em vez de escolher algum outro mais próximo? Foi exatamente este questionamento que fiz a diversos uruguaios, que conheci nas cidades que passei, e recebi a seguinte resposta: Porque é um lugar mágico!

Nascer do sol

E o que torna este povoado localizado no Departamento de Rocha tão mágico? Posso dizer que, depois de ter passado dois dias por lá, descobri qual é a sensação de dormir em um lugar rodeado por estrelas (lá não tem energia elétrica), descobri como é acordar ao lado de leões-marinhos enquanto o sol nasce,  descobri como é dançar em festas que são animadas pelo ritmo da rumbia (música local), ou seja, descobri muitas coisas e posso garantir: Cabo Polonio é um lugar certamente mágico.

Como chegar? Para quem estiver em Montevidéu e quiser chegar em Cabo Polonio, basta ir para o Terminal Tres Cruces e pegar o ônibus Rutas del Sol. Veja com cuidados os horário, pois são muito poucos, tanto os de ida como os de volta. A viagem dura cerca de 6 horas e custa em torno de uns 600 pesos uruguaios.

Chegando na rodoviária de Cabo, você terá que comprar um bilhete, que custa aproximadamente 120 pesos ida e volta, para ser transportado por um caminhão até o povoado de Cabo Polonio. Este caminhão atravessa as gigantes dunas, ou seja, a única forma de conseguir acessar o balneário, além de ser um jeitinho mais aventureiro de curtir.

Truck

Chegando lá você terá algumas coisas interessantes para fazer. O lugar é pequeno. Tem como pontos turísticos o Farol, as praias e as pedras com os leões-marinhos.

Durante à noite você pode aproveitar os bares e restaurantes locais. O hostel em que fiquei, Lobo Hostel Bar, me deu esse benefício, pude curtir diversas festas sem sair de casa.

Concluindo: a magia do lugar se espalha por todo os cantos. Está nas pessoas, nas belezas naturais, nas comidas, nas festas, está em tudo. Creio que todos que são apaixonados por viajar, assim como eu, devem viver essa experiência. É um lugar único.

Nos caminhos de Punta del Este, Punta Ballena e Maldonado

Chegou o dia de falar sobre as três cidades com os pontos turísticos mais famosos do Uruguai. Resolvi escrever sobre as três ao mesmo tempo, pois muitas pessoas confundem os pontos turísticos de uma com os de outra.

Mirante de Punta Ballena

Antes de destacar os locais que visitei em cada uma e citar as principais diferenças, vale ressaltar que existem muitas coisas em comum também, por exemplo: as três pertencem ao departamento de Maldonado.

Para os pobres, como eu (rs), outro fator em comum é a forma de chegar em cada cidade, seja indo direto do Aeroporto de Carrasco ou de Montevidéu, pelo Terminal Tres Cruces (fica dentro de um shopping), você terá que ir de ônibus. Alugar carro ou ir de táxi é um conforto que acaba sendo um pouco caro. Pegue um ônibus pela COT ou pela COPSA (empresas mais conhecidas) com destino final Punta del Este, caso queira ir para uma das outras duas cidades é só saltar antes de chegar ao ponto final. O valor do ônibus gira em torno de 300 pesos. A viagem de ônibus dura cerca 2h30.

No meu trajeto organizei os passeios para 4 dias, o que foram o suficiente. O mês de março não é o melhor mês para ir, apesar das cidades estarem mais vazias, o clima é muito inconstante. Eu acabei dando sorte, peguei dias bonitos, mas é algo arriscado para quem não curte passar por momentos de chuva. Indico ir em alta temporada que o sol é praticamente “garantido”.

Punta del Este

Los dedos

Punta del Este, considerado o balneário mais famoso da América do Sul, provavelmente foi o lugar mais marcante do meu mochilão pelo Uruguai. Cheguei em Punta com um tempo bem ruim, no início fiquei meio cabreiro, mas logo o sol apareceu e eu corri para curti os pontos da cidade. Lá eu conheci:

• Playa Brava e Playa Mansa
A Playa Mansa é banhada pelo rio, tem a coloração da água um pouco mais escura que a Brava, marítima, que por sua vez possui águas mais agitadas. Aliás, essas são as duas principais praias da cidade e, na verdade, uma é continuação da outra, já que circunda a Península.

• Monumento Los Dedos
Também chamado de La Mano, Dedos de Punta del Este ou Monumento ao Ahogado (afogado), fica na Playa Brava.
Endereço: Parada 1 Playa Brava, 20100

• Farol
Ainda na Península, um pouco depois da Gorlero, há esse farol. Infelizmente no momento a entrada não está sendo permitida.
Endereço: Calle 2 de Febrero y Calle 5

• Plazoleta Grã-Bretanha
Bem na pontinha da Península, onde o rio encontra o mar, você poderá ver essas belas esculturas.
Endereço: La Salina

• Porto
O porto é lindo, cenário perfeito para fotos. Além disso, ainda tive a oportunidade de ver de pertinho diversos leões-marinhos.

• Mirantes
Há diversos mirantes pela cidade. Faça que nem eu, vá em todos.

Além dos pontos que destaquei, lá também tem diversos bares e famosas boates. Punta é lugar para todos! É um lugar lindo e me deu a oportunidade de conhecer pessoas maravilhosas. Deixo aqui o meu grande abraço a uma linda família de Cuiabá e uma ótima amiga, conterrânea do Rio.

Punta Ballena

Fiquei hospedado em Punta del Este, de lá se consegue chegar tranquilamente em Punta Ballena, são apenas 16km de distância. Existem duas opções: pode-se pegar um ônibus das empresas (COT ou COPSA) ou ir por um municipal. Os dois irão te deixar no mesmo ponto de uma estrada, onde terá que atravessar e andar por uma longa rua até ver escrito em um estrutura “Casapueblo”. A grande diferença dos ônibus são os valores e os horários, os das agências custam em torno de 60 pesos e saem e retornam mais constantemente, os municipais custam em torno de 30 pesos mas demoram mais a passar.

• Casapueblo
Casapueblo é uma obra de arte de dimensões gigantescas, uma casa-escultura construída pelo artista uruguaio Carlos Páez Vilaró, com inspiração greco-mediterrânea. Bem provavelmente é o lugar mais famoso de tudo que visitei no Uruguai.
Endereço: Ruta Panorámica (saída da Ruta Interbalneária à caminho de Punta Ballena). Há indicações com placas.
Preço: R$30
Horários: 10h às 18h.

• Mirante de Punta Ballena
Fica do lado da Casapueblo, basta descer o morro cheio de pedras. Para minha pessoa é o lugar mais bonito de todos que visitei. É uma vista e uma paz sem igual. Indico muitoooo.

La Barra de Maldonado

O ponto mais famoso de Maldonado é sua parte conhecida como La Barra de Maldonado. Enquanto Punta é toda estruturada e possui altos edifícios, La Barra tem aquele clima todo rústico, descolado, com muitas ruas de terra. Muitos jovens e noitadas.

Outro ponto diferente de Punta, é que para La Barra só existem ônibus municipais, mas fique tranquilo, saem de 30 em 30 minutos.

• Museu do Mar
Um local muito bacana, fica a cerca de 1km após passar a ponte que divide Punta Del Este de La Barra.
Preço: US$ 7

• Ponte Ondulada
Além dessa divertida ponte ser o caminho para desbravar algumas praias mais distantes, ela ainda te faz sentir aquele friozinho na barriga ao passar por ela.

Ponte ondulada

Essas três cidade me deram a oportunidade de ter uma noção do que é viver um pouco no paraíso. Belezas naturais, pessoas de bom coração e muita paz.

Usufruindo da tranquilidade de Montevidéu

Após conhecer a beleza de Sacramento, fiquei instigado em conhecer mais do Uruguai. Depois de um tempo de organização e construção do roteiro fui em busca de conquistar este país e colocá-lo na minha lista de lugares do mundo que já conheci.

Comecei o meu tour em URU por Montevidéu, o centro urbano mais tranquilo que já fui até hoje.

El cartel de Montevidéu

Quase todas as viagens começam a partir de algum aeroporto ou rodoviária. A minha, como fui de avião, começou no Aeroporto de Carrasco. O Aeroporto fica a apenas 18 km do centro de Montevidéu, o que facilita muito na hora de se deslocar. E é nesse momento que aparece a minha primeira dica: vá de ônibus! Tem os pontos negativos, como não ter um lugar específico para você colocar sua mala durante a viagem, mas como o percurso é bem curto vale o esforço, além de ser muito mais barato, você já vai entrar em contato com o ritmo dos transportes locais e já vai saber mais sobre as ruas da cidade.

Para as pessoas que preferem a comodidade, também têm opções como Táxi ou Van saindo do Aeroporto. Não colocarei os valores exatos da época em que fui, pois eles mudam constantemente, mas para os leitores terem uma melhor noção posso dizer que o ônibus municipal custa em média 60 pesos, as vans uns 400 pesos e os táxis uns 1700 pesos.

Cheguei tranquilamente ao meu hostel. Fiquei no El Viajero da Ciudad Vieja. O hostel é ótimo, segue o padrão da franquia e tem um bom preço. Depois de organizar minhas coisas comecei a minha caminhada pela cidade. Fiquei dois dias, o suficiente para conhecer os pontos turísticos mais importantes e descobrir que a cidade é super segura e tem a comida mais cara da América do sul.

Segue abaixo o detalhamento do meu roteiro:

DOMINGO
Organizei o primeiro dia de minha viagem pensando na praticidade. Tinha que organizar tudo e conseguir curti o dia, então não poderia por coisas muito distantes, mas acabou que consegui fazer até mais do que planejei, principalmente pelo fato de ser fácil compreender o trajeto dos ônibus da cidade. Lá não tem metrô. Também pode ser usado táxi ou uber.

Comecei o meu trajeto indo para Plaza Independencia, pois é bem próxima da Puerta de la Ciudadela e do Teatro Solís. Logo depois fui andando em direção a Feira de Tristán Narvaja, ela só acontece aos domingos, então quis aproveitar a oportunidade. Na caminhada em direção a feira, passei pela Rambla e pelo mirante da Intendência.

Quando meu passeio pela feira acabou ainda estava na hora do almoço,ou seja, ainda tinha bastante tempo para rodar e conhecer novos cantos. Resolvi ir para o outro lado da cidade, peguei um ônibus e desci em Pocitos (para ver o El Cartel de Montevidéu), depois fiz uma caminhada pela praia até o Farol de Punta Carretas.

Como havia dito no início do texto, em pouco tempo dá para se conhecer muito e foi isso que fiz no meu primeiro dia.

• Plaza Independencia
O marco da cidade, a praça mais importante, que separa a cidade velha da cidade nova.
Endereço: Plaza Independencia, 11000

• Puerta de la Ciudadela
A Puerta de la Ciudadela, nome em sua língua original, é uma porta que restou da fortaleza que protegia Montevidéu anos atrás. Hoje em dia a porta é um dos lugares favoritos dos turistas para contemplar e tirar fotos.
Endereço: Plaza Independencia, 11000

• Teatro Solís
Endereço: S/N, Buenos Aires, 11000

• Feira de Tristán Narvaja
A Feira, que acontece aos domingos, é um dos principais programas dos locais no fim de semana.
Endereço: Ferrer Serra 2265 Esq. Cufre | Ferrer Serra 2265 Esq. Cufre
Horário: 9h às 16h

• Mirador Panorâmico da Intendencia
Está localizado no 22º andar da Intendencia de Montevideo (Prefeitura). O lugar proporciona uma ótima visão da cidade.
Endereço: Soriano 1372, 11200
Horário: Por motivo de manutenção as visitas estão limitadas aos sábados e domingos das 10h às 16h.
Valor: Gratuito – Retirar os ingressos no centro de informações turísticas

• Rambla
Dica: A Rambla, que se estende por mais de 20 km,na verdade é uma avenida beira-rio (no caso, o majestoso Rio da Plata)

Rambla

• El cartel de Montevidéu
Local: Final da rambla de Pocitos

• Castillo Pittamiglio
Endereço: Rambla Mahatma Gandhi 633

• El Faro de Punta Carretas
Endereço: Punta Carretas, 11300 Montevideo

El faro de Punta Carretas

SEGUNDA
No segunda dia acordei um pouco mais tarde, já não havia tanta coisa assim para conhecer. Aproveitei para conversar com mais pessoas e fui com calma em direção ao Parque Batlle e ao Estádio Centenário. Na volta passei no Mercado del Puerto para comer e comprar umas lembrancinhas, mas é um país incrivelmente caro, então desisti de comprar (rs) e voltei para o hostel. Tirei o resto do dia para fazer novas amizades e dialogar.

La Carreta (Parque Batlle)

• La Carreta (Parque Batlle)
Endereço: Parque Batlle, 11600 Montevidéu

• Mercado del Puerto
Endereço: Rambla 25 de Agosto de 1825 228, 11000

• Estádio Centenário
Endereço: Av. Dr. Americo Ricaldoni – Montevidéu
Ingresso do museu: 160 pesos uruguaios

Horário: De segunda a sexta, de 10 ás 17 horas

Estádio Centenário

Duas coisas que tem que ficar claras para quem ler esse post: Montevidéu é uma cidade bem segura, mas em compensação é mais cara do que se imagina.

É um lugar que vale ser visitado, como a maioria dos lugares. As pessoas são simpáticas e abertas ao diálogo. Fechei meu passeio por lá bem satisfeito e parti para o meu próximo destino…Punta del Este.