No ritmo dos Lençóis Maranhenses

Pense no paraíso… o quê lhe vem a cabeça?

Um lugar em que a paz é presente a todo instante, que a energia e as cores dos lagos e lagoas modificam-se de acordo com o brilho do sol, que a areia é tão branquinha que dá pra se sentir nas nuvens? Bom… se for isso, você precisa imediatamente conhecer os Lençóis Maranhenses. Uma viagem emocionante do início ao fim.
Claro que não será possível que você viva as mesmas peripécias que eu vivi, mas poderá compreender certas emoções seguindo um circuito similar. Existem diversas possibilidades de fazer o seu roteiro, eu achei mais prático fechar um pacote, como eu sonhava, com uma agência local: a Santos Turismo.

A minha viagem pode ser dividia em 3 etapas: Barreirinhas, as cidades vizinhas e os rios.

Barreirinhas
É a cidade protagonista da viagem. É nela em que fiquei hospedado e fazia as principais refeições do dia. Trata-se de um lugarzinho muito simples, com poucas pessoas, poucos comércios, poucas escolas, poucos restaurantes, mas com diversas agências de turismo.

Não estava dando muito valor ao pequeno município, mas, principalmente, por causa dos passeios comecei a ver a riqueza cultural e natural que existe neste local. Em Barreirinhas conheci o Rio Preguiças e os Lençóis Maranhenses, através do Circuito da Lagoa Bonita e da Lagoa Azul.

Os circuitos citados são os principais passeios do Maranhão e tem percursos bem parecidos. Os dois partem por volta das 14h, com o objetivo de finalizar com o pôr-do-sol; o trajeto é dentro de trechos bastantes acidentados, com muitos galhos passando rente ao carro; e a duração da viagem têm cerca de 1h. A grande diferença entre os dois passeios é uma duna, de aproximadamente 30 metros, que é necessário subir para chegar até a Lagoa Bonita. É super exaustivo mas, talvez seja por causa disso, que ela, para mim, possibilita a vista mais bonita de todos os percursos. É lindo demais ver todos aqueles lençóis lá do alto, chega a emocionar.

Vassouras, Caburé e Mandacaru
Conhecer as cidades vizinhas de Barreirinhas também foi uma ideia que deu bastante certo. Além de serem cidadezinhas super simples e lindas, a forma de chegar até elas foi bem empolgante, através das voadeiras, um barco de alta velocidade.

Em Vassouras tivemos a oportunidade de conhecer os pequenos lençóis e os macaquinhos ladrões de comida. Em Mandacaru subimos os 160 degraus do Farol de Preguiças para observar toda aquela belezura. E em Caburé rodamos as praias de quadriciclo (literalmente) e relaxamos nas redes.

Rio Formiga
Neste rio foi onde aconteceu o nosso último passeio. Provavelmente foi o passeio mais distante se comparado aos outros, mas, assim como todos, valeu super a pena as horas de percurso. Primeiro, por se tratar de mais um lugar encantador que conhecemos. Segundo, por fazermos todo o passeio sendo guiado por nativos. E terceiro, porque o passeio de bóia é super relaxante.
Afirmo que para mim foi bem complicado explicar uma experiência “gigante” como esta de forma sucinta. Tentei resumir o máximo possível, sem tirar o contexto da história, para conseguir contar tudo para vocês, sem ser maçante e chato. Espero que compreendam um pouquinho da sensação que tive, pois nesta trip aconteceu, novamente, algo que eu sempre falo: – Entre os sonhos possíveis, o melhor é sonhar acordado. E eu sonhei.

A natureza reina em Teresópolis

Localizada no interior do Rio, Teresópolis mostra, com todo seu charme, a harmonia e beleza de uma natureza bem conservada. Em toda sua extensão (repleta de rios, cascatas e rica flora e fauna), dou destaque ao Parque Nacional da Serra dos Órgãos, uma unidade de conservação situada no maciço da Serra dos Órgãos, que também abrange os municípios de Guapimirim, Magé e Petrópolis.

Sem dúvidas, é um dos melhores parques do país para a prática de esportes de montanha, como escalada, caminhada, rapel e outros. O Parque tem a maior rede de trilhas do Brasil, são mais de 200 quilômetros de trilhas em todos os níveis de dificuldade: desde a trilha suspensa, acessível até a cadeirantes, até a pesada Travessia Petrópolis-Teresópolis, com 30 Km de subidas e descidas pela parte alta das montanhas.
Entre os passeios disponíveis na parte pertencente a Teresópolis, destaco as 4 trilhas que mais gostei:

  • Trilha Suspensa
    Esta famosa trip tem um caminho bem tranquilo de ser percorrido, tendo apenas 1300 metros de caminhada reta. A trilha, iniciada na Praça da Barragem, possui piso de madeira e corrimão, permitindo acesso até a cadeirantes. No trecho final a trilha atinge grandes alturas em relação ao solo (até 8 metros) e permite belas visões da floresta e dos paredões.
  • Trilha Mozart Catão
    É mais uma trilha leve , que nos leva até Mirante Alexandre Oliveira, com vista para a cidade de Teresópolis e o Parque Estadual dos Três Picos, ao fundo. Uma curiosidade é que os nomes da trilha e do mirante é uma homenagem a dois alpinistas da cidade, mortos ao tentar escalar a face sul do Aconcágua, em 1998.
  • Trilha Cartão Postal
    Esta bela trilha, com acesso pela Estrada da Barragem próximo à pousada, cruza área de floresta com belas vistas da montanha e dá acesso a um mirante voltado para a cadeia de montanhas da Serra dos Órgãos, proporcionando ao visitante um novo ângulo de observação do Dedo de Deus do meio da floresta. No caminho é possível observar algumas grandes árvores, como o jequitibá. Apesar de ter apenas 1200 metros alguns consideram esta trilha moderada, pois é uma subida constante em uma escada natural.
  • Trilha da Pedra do Sino
    A Pedra do Sino é o ponto culminante da Serra dos Órgãos com 2.275m e lá do alto a vista alcança toda a Baía de Guanabara, a cidade do Rio de Janeiro e parte do Vale do Paraíba, no lado continental. São cerca de 11 km (cinco a seis horas) de caminhada desde a sede do Parque, em Teresópolis, a 1.100 metros de altitude, até o cume. O primeiro trecho é mais leve, por dentro da mata. Na parte final, a trilha é acidentada.

Para mais informações e detalhes sobre outros passeios acessem o site do parque.

 Preços?

Quando ir?
Todos os dias, das 8h às 17h (todas as sedes). É permitida a entrada no parque entre 6h e 8h e entre 17h e 22h, mediante compra antecipada de ingressos.

Como chegar?
A entrada principal do Parque Nacional da Serra dos Órgãos fica na área urbana de Teresópolis, na Avenida Rotariana s/nº (que interliga a BR 116 Rio-Bahia, na altura do km 89,5 à cidade), com acesso bem sinalizado. A entrada do parque fica ao lado da ponte sobre o Rio Paquequer, na entrada da cidade, próximo ao Mirante do Soberbo e ao Portal da Cidade.

Na BR 116, sentido Rio-Teresópolis, na altura de Magé, existe a praça do pedágio administrado pela CRT, com cobrança bidirecional. Há cobrança de pedágio também no sentido Teresópolis-Magé-Teresópolis.