Voando alto em Nikity

Já dizia o sábio Leonardo da Vinci, “uma vez que você tenha experimentado voar, você andará pela terra com seus olhos voltados para céu, pois lá você esteve e para lá você desejará voltar”. Ele estava certo. Voar foi uma das experiências mais indescritíveis de toda a minha vida. Uma emoção que vai ficar guardada para sempre na minha memória.
O dia começou como qualquer outro. Acordei cedo, tomei banho e fui para rua em busca de aventura ou de algum contato mais próximo com a natureza. Apesar de ter marcado tudo direitinho para o voo duplo de parapente, não me ligava ainda que estava indo para algo tão emocionante. Sabe aqueles dia que vai acontecer um grande evento, mas você ainda está meio desnorteado por causa do sono? Então, eu acordei assim.

Cheguei no local cedo e, ao reparar que a pista estava vazia, fui direto falar com o instrutor para começarmos a nos preparar para o salto. Foi nesse momento que comecei a ter noção do que estava acontecendo. Depois de equipado, perguntei se teríamos que correr para o precipício (parte que eu tinha mais receio), mas ele me explicou que devido a velocidade do vento, iríamos até a ponta da rampa e correríamos para cima (para o meu alívio).

Depois de estar lá no alto foi só curtir a paisagem, a brisa e algumas emoções (pedi para o instrutor brincar um pouco, para eu sentir que o esporte também tem adrenalina). Ver as cidades de Niterói e do Rio lá de cima é como se deparar com a mais profunda das poesias.

A descida foi super tranquila e assim fechei o meu incrível e inesquecível passeio. Agradeço demais ao meu condutor André Pacheco (Wolverine). Uma pessoa incrível, que se mostrou super atencioso e paciente com todos os meus questionamentos. Quem quiser mais informações ou o contato dele é só falar que eu passo em mensagem privada.

Afirmo que todos precisam ter uma experiência como essa, pelo menos uma vez na vida. É única. É motivadora. É inspiradora. E como Da Vinci já tinha me avisado, eu não consigo mais parar de olhar para o céu.

Travessia Tupinambá: a maior trilha ecológica de Nikity

Para a alegria dos trilheiros, mais uma trilha foi inaugurada em Niterói. A Travessia Tupinambá, um percurso de aproximadamente sete quilômetros que liga São Francisco a Piratininga, chegou com tudo! A caminhada, que nos possibilita observar belas paisagens de diferentes pontos de vista, sítios históricos, um córrego e toda riqueza natural que a cidade sorriso proporciona, vai se popularizando e, logo logo, vai se tornar mais um ponto certo a ser frequentado pela galera do treeking.
A trilha pode ser acessada pelos dois extremos do percurso: Parque da Cidade ou Jardim Imbuí (a partir da Rua dos Corais). A opção de começar pelo parque é a melhor, pois a parte mais íngreme do passeio é a subida por Imbuí.

Ao meu ver, a travessia pode ser considerada leve, concluímos em 2h30, com muita tranquilidade e sem grandes desafios. Por ser uma mata bem fechada também não tivemos muita exposição ao sol. Talvez a única dificuldade da trilha, no momento, é o fato dela está bem popular, ou seja, está ficando bastante cheia, mas nada que boa educação e simpatia não dê jeito.

Finalizo o post destacando que o ponto mais bonito da travessia é o Mirante da Tapera, localizado de frente para o Pão de Açúcar e de onde se tem um ângulo único para as Praias da Região Oceânica e as montanhas do Rio. Ah… também deixo aqui o link do post específico sobre o Parque da Cidade, para quem for começar o passeio por lá.

Uma boa surpresa chamada Taberna do Darwin

Era mais um dia comum de trabalho, quando uma amiga veio me falar que tinha descoberto um lugar que era a minha cara. Eu, muito curioso, indaguei qual era esse tal lugar e ela me respondeu de imediato: a Taberna do Darwin. Prestei atenção em tudo que ela falou, anotando detalhadamente, pois já dizia Charles Darwin:”a atenção é a mais importante de todas as faculdades para o desenvolvimento da inteligência humana”.

Enfim apareceu a oportunidade (grana) para ir ao local e, logo depois de voltar de lá, tive que vir aqui contar para vocês o privilégio que foi conhecer um dos melhores restaurantes de Niterói.

Localizado nos Caminhos de Darwin, na Rua Pau Brasil, no Engenho do Mato, a Taberna do Darwin é um restaurante impar e que deve ser colocado entre os pontos turísticos da cidade sorriso. Além de ter um chefe de cozinha conceituado, o restaurante apresenta ótimas opções de pratos e vinhos, um ótimo atendimento, uma vista incrível para natureza e uma estrutura que nos faz sentir parte do ambiente.

Apesar de ser um lugar que está ficando cada vez mais famoso, principalmente depois da matéria do New York Times, ele só fica aberto nos finais de semanas e feriados nacionais, das 12h às 17h, e também só aceita dinheiro ou cheque como pagamento.

Se você é esfomeado, como eu, e está querendo saber logo mais detalhes sobre a comida, chegou a bendita hora. Primeiramente vale destacar a forma que eles organizaram o cardápio. Foram apresentados 3 tipos diferentes de pratos quentes, no valor de R$89,00 cada, Buffet Vegano sem limite, no valor de R$95,00, 3 tipos de sobremesas, no valor de R$25,00 cada, e o Cardápio Completo (Buffet Vegano sem limite + Prato Quente + Sobremesa) no valor de R$ 112,00. Ps: Esses valores são referentes ao dia 19/8/17. Para confirmar cardápios e valores entrar em contato com o respectivo restaurante através do telefone ou página no facebook.

Eu escolhi a opção completa por achar que era a mais vantajosa pela disposição que estava em comer (risos). Inicialmente comecei com um Magret de Canard com Laranja & Gateau de Mandioca & Alho Poró (prato quente), logo depois provei todas as possibilidades de comida vegana do buffet e, para finalizar, escolhi como sobremesa uma Torta Mousse de Chocolate com Avelas, ‘Parfait’ de Coco e Tuille de Amendoas. Enfatizo que tudo estava maravilhoso.

Depois de comer, fiquei conversando e descobri uma curiosidade sobre o local:  a possibilidade de hospedagem. É um outro diferencial que achei interessantíssimo, mas não posso falar muito, pois não tive a oportunidade de experimentar, caso isso um dia ocorra altero essa parte da postagem colocando mais detalhes. Até lá, caso tenha ficado curioso, entre em contato através da fanpage clicando no link que deixei na parte superior.

Quem me acompanha sabe que na parte gastronômica do blog eu não saio detalhando todos os restaurantes que vou, pelo contrário, dou o devido destaque só aos restaurantes ou pratos que me impressionam de alguma forma especial. Este lugar, que mistura natureza com gastronomia, é realmente a minha cara, e de todos que curtem essa rica combinação.

Um sonho chamado MAC

Oscar Niemeyer já dizia: “a gente tem que sonhar, senão as coisas não acontecem”. O MAC parece ter sido um daqueles sonhos que se acorda suando de tão impactante que foi. O Museu de Arte Contemporânea se tornou, além de um cartão-postal da cidade de Niterói, um expoente de cultura nacional. Em todos os países que passo as pessoas sabem que existe um famoso “disco voador” na cidade sorriso.
O museu, construído sobre o Mirante da Boa Viagem, na orla de Niterói, possui uma fachada futurista que possibilita que o visitante desfrute de uma vista panorâmica. Para chegar no local o viajante deve, caso venha da cidade do Rio de janeiro, ir até a Praça XV e pegar as barcas. Chegando em Niterói, ir para o Terminal Rodoviário João Goulart e pegar o ônibus 47b, que passa em frente ao museu. Existem outras opções de ônibus que deixam próximo ao local, mas você terá que caminhar um pouco: 17 (Centro/Charitas);  32 (Centro/Cachoeira); 33 (Centro/Jurujuba); 46 (Centro/Várzea das Moças); 47A (UFF Circular); 47 (Centro/Vital Brazil); 49 (Fonseca/Icaraí – circular); 53 (Centro/Santa Rosa); 60 (Ilha da Conceição/Icaraí – circular); 740D (Copacabana/Charitas); 750D (Gávea/Charitas); 760D (Galeão/Charitas); 775 (Gávea/Charitas)

O espaço conta, atualmente, com diversas exposições internacionais e atividades culturais e educacionais. Além disso, quem não tiver interesse em entrar no museu também pode apreciar a vista no pátio, que fico do lado externo, ou ir comer uma boa comida no bistrô.

Para os interessados em visitar, seguem alguns dados importantes:

Endereço: Mirante da Boa Viagem, s/nº, Boa Viagem
Funcionamento: Museu, de terça a domingo, das 10 às 18h; Pátio, de segunda a domingo, das 8 às 18h (no horário de verão o pátio funciona até às 19h); Bistrô, de terça a sexta, das 10h às 17h | sábado e domingo, das 9h às 18h
Preço: R$10 (inteira / R$5 (meia)

Fortaleza de Santa Cruz da Barra (Niterói/RJ)

A Fortaleza é um dos pontos turísticos mais visitados de Niterói. Local que além de ter uma vista deslumbrante tem uma arquitetura impressionante.  Atrai turistas, pesquisadores em busca de lazer e história, crianças, esportistas etc. É um local para todos. Vale ressaltar que no local também tem um espaço especial para festas e casamentos.
dsc_0011Acredito que esta fortaleza seja uma das mais importantes do estado do Rio de Janeiro. Ela atrai uma média de dois mil visitantes por mês, em visitas guiadas, de hora em hora, com a duração de cerca de 45 minutos. Atualmente, é a sede da Artilharia Divisionária da 1ª Divisão de Exército.  As visitas custam R$10,00 inteira e R$5,00 meia entrada. Os soldados fazem um passeio explicando os detalhes importantes da fortificação. Além disso, caso esteja muito quente o quartel oferece guarda-sol.

Em relação ao acesso para quem vai de ônibus: deve pegar o 33 (especial), pois para bem próximo do local. Para quem vai de carro, já é bem mais tranquilo, a fortaleza conta com um estacionamento lá dentro.

Não perca a oportunidade de ir com toda família fazer uma passeio bem agradável e conhecer um pouco mais da história do nosso país.
dsc_0015Fatos históricos
– Em 1555, Villegaignon improvisou uma fortificação para a defesa da entrada da Baía de Guanabara. Tomada por Mem de Sá dois anos mais tarde, foi ampliada, recebendo o nome de N. Sra. Da Guia, origem da fortaleza de Santa Cruz da Barra. Com uma área construída de 7.153 m2 , passou por reformas e teve seu poder de fogo ampliado por ordem do Vice-Rei Conde de Cunha, visando a proteger o embarque de ouro de Minas Gerais, feito no Porto do Rio de Janeiro.

– A Fortaleza de Santa Cruz da Barra participou de momentos importantes de nossa história, impedindo invasões francesas e holandesas. Enquanto presídio, recebeu figuras ilustres como José Bonifácio, Bento Gonçalves e Euclides da Cunha.

– Durante a revolta da armada, lutou contra o Forte de Villegaignon. Em 1922, na Revolta Tenentista, disparou contra o Forte Copacabana. Seu último disparo, contra o cruzador Tamandaré, foi dado em 1955.

Ilha da Boa Viagem (Niterói/RJ)

A  Ilha da Boa Viagem voltou a integrar o roteiro turístico de Niterói! O local por muitos anos não contou com estrutura turística  regular, o que impedia os moradores e o público em geral  de conhecer um pouco da história da ilha e da igrejinha.
dsc_0542Um dos mais belos cartões-postais de Niterói tem horários e esquemas diversificados para visitantes. O local só pode ser visitado através do acompanhamento de guias que acontecem às sextas, aos sábados, domingos e feriados, em quatro horários: 9h, 11h, 14h, 16h. Para grupos fechados formados por operadoras ou profissionais de turismo, visita poderão ser agendadas pelo Disque Turismo 0800-2827755 . O tempo de permanência de cada grupo, de no máximo 30 pessoas, no local é de aproximadamente uma hora. É um passeio curto, mas é uma oportunidade ímpar principalmente na vida dos niteroienses.

Dicas para o passeio à ilha
Para que o passeio à Ilha da Boa Viagem possa ser curtido com conforto pelos visitantes, a Neltur recomenda o uso de roupas leves e sapatos confortáveis. O uso de protetor solar também é aconselhado. No topo do circuito, o local conta com lixeiras.
dsc_0571

Morro das Andorinhas (Niterói/Rj)

A leve trilha do Morro das Andorinhas, que leva esse nome devido a uma gruta localizada em seu topo onde as andorinhas costumavam se reunir e fazer seus ninhos, nos possibilita ver Niterói por diferentes ângulos.
dsc_1049A trilha, localizada dentro do Parque Estadual da Serra da Tiririca (PESET), nos dá duas possibilidades de paisagens: uma vista é para o lado da Praia de Itacoatiara, Costão e Pedra do Elefante, e a outra vista é para as praias de Itaipu, Camboinhas, o canal que as divide e a Laguna, pegando ainda um pedaço da praia de Piratininga. O percurso completo dura cerca de 30 minutos.
dsc_1064Como chegar?
Pegue o ônibus 38 Itaipu no terminal de Niterói e desça no ponto final, que é a própria praia de Itaipu, ou, para que vem do Rio, pegue o ônibus 770 Itaipu/Itacoatiara e, também, desça no ponto final. Depois de descer do ônibus, você deve subir a Travessa B. para acessar o início da trilha. Quando avistar uma Igreja, mantenha-se a direita, entrando na Rua da Amizade.

Quem for de carro deve parar logo antes da ruela principal, na Rua da Amizade.

Fiz um amigo!
Logo depois da trilha fui dar um mergulho na praia e acabei encontrando esse “serumaninho”  (rs)
dsc_1076

Enseada do Bananal (Niterói/Rj)

A trilha é super leve, dura cerca de 20 minutinhos, mas tem um visual lindo. Para quem achar que fazer só esta trilha é pouco, faça que nem eu fiz, logo em seguida suba o Costão de Itacoatiara. Os dois ficam localizados no Parque Estadual da Serra da Tiririca.
img_20160709_124842A Enseada do Bananal é formada por uma região de muitas pedras. A região também é frequentada por escaladores. A trilha para chegar até a enseada inicia-se pelo mesmo caminho que vai para o topo do Costão. Após 10 minutos de caminhada, chega-se em uma trifurcação. Para a direita, segue-se até o topo do Costão e para a esquerda segue para a Agulha Guarischi. O caminho a ser seguido é o do meio, em uma descida que continuará por mais alguns minutos até chegar à enseada.

Chegando lá, temos o contato direto com o mar e uma visão das formações rochosas que compõe a região, incluindo uma visão diferenciada do Costão. Subindo o bloco rochoso pelo seu acesso lateral, haverão dois pontos para a montagem do rapel, um com 31 metros de rapel predominantemente negativo (sem contato com a rocha) e outro com rapel positivo (com contato com a rocha), de 27 metros. A saída do rapel na maior via é realizada em um ângulo de 90º, exigindo atenção e também alguma proteção para a corda. A descida é realizada próximo ao mar, nos blocos de pedras existentes.

 

Stand up paddle em Nikity city

O que é ?
– Stand up paddle, ou SUP, é um esporte aquático, variante do surf, no qual o praticante fica em pé numa prancha e usa um remo para se mover através da água.

Para tudo (ou quase tudo) nessa vida existe uma primeira vez. Então, finalmente, chegou a minha primeira vez no SUP.
img_20160221_125943

Estava um pouco apreensivo, não me dou muito bem com esportes aquáticos, porém a vontade de praticar era maior que qualquer receio. Escolhi o menor percurso, que durava 30 minutos. Antes de começar estava achando que seria pouco tempo, mas depois de praticar, percebi que pra uma primeira vez é mais do que suficiente, mesmo tendo adorado fazer, o corpo ainda não estava preparado pra ficar por muito tempo remando.

O instrutor do local me deu algumas orientações: indicou começar de joelhos e depois tentar subir na prancha, e foi exatamente o que fiz. De joelhos é bem tranquilo, entretanto não se compara a sensação de ficar de pé.  Depois de cair a primeira vez, perdi o receio, e segui o outro conselho que me deram, de olhar para um ponto fixo no horizonte, em vez de ficar olhando para baixo.

É um ótimo esporte para quem quer relaxar e passar um tempo no mar. Espero fazer mais vezes para ter mais dicas para quem quer começar. No momento… tenho que praticar muito mais.
img-20160221-wa0015

Corrida do Sesc (Niterói/RJ)

O Desafio Sesc de Corrida e Caminhada foi disputado em Niterói, no dia 06 de dezembro de 2015, com largada em frente ao Museu de Arte Contemporânea e trajeto pela orla até a estação das Barcas de Charitas.dsc_0360Os cinco primeiros colocados no masculino e no feminino receberam troféus, e todos os participantes ganharam medalhas. Eu estou entre esses participantes que só ganharam medalha de participação, fiz o percurso em 52 minutos, para quem não está acostumado a correr até que não fui tão mal né!? rs

Os participantes percorreram a orla passando pela Avenida Almirante Benjamim Sodré, Avenida Engenheiro Martins Romeu, Avenida Jornalista Alberto Francisco Torres, Estrada Leopoldo Froes, Avenida Quintino Bocaiúva, Avenida Silvio Picanço até cruzarem a linha de chegada próxima à estação das barcas, totalizando 7km de percurso. O formato da prova permitiu que todos participem.

Foi uma experiência muito maneira participar da minha primeira grande corrida, espero ter novas oportunidades e melhorar a minha capacidade física, pois tenho que admitir “fiquei meio morto” (rs).